sábado, novembro 30, 2013

Black Friday expõe a lógica do Papai Noel e o minimalismo do consumo


Ao lado do Halloween, o Black Friday é mais um desses mega eventos importados que, repentinamente, se transformaram em pauta da agenda midiática nacional. Imagens na TV de corredores de lojas congestionadas com gente se acotovelando e consumidores denunciando descontos maquiados. Mas estamos importando mais do que um evento de promoções e descontos: no interior do conceito de Black Friday importamos também o DNA da cultura norte-americana: a mentalidade “minimalista” de um delírio de vitória no vazio e a “lógica do Papai Noel” do consumo onde a estratégia supostamente racional custo/benefício das promoções serve de álibi para o consumidor conviver mais facilmente com a sua má consciência. O que significa para nós importarmos esse DNA desesperançado da cultura norte-americana?

Talvez o grande mérito de Freud e da Psicanálise não tenha sido a descoberta do inconsciente – inacreditavelmente ainda sem credibilidade científica para muitos setores da psicologia por supostamente não ter comprovação “empírica”, ao contrário das noções de comportamento e  cognição. Talvez o principal mérito do psiquiatra vienense tenha sido a descoberta de que o homem não é um ser racional, mas acima de tudo racionalizante. Isto é, o que verdadeiramente nos distinguiria dos animais não seria tanto a razão, mas a capacidade de encontrar álibis e justificativas (racionalizações) para cada ato impulsivo ou irracional que nos pegamos cometendo.

Ao lado do Halloween, o Black Friday é mais uma dessas efemérides importadas e pautadas de um momento para o outro na agenda midiática anual. Termo criado pelo varejo nos EUA para o dia das grandes ações de vendas com descontos e promoções após o feriado de Ação de Graças, vem desde 2010 sendo adotado pelas grandes lojas tanto on line como físicas no Brasil. E todo ano, sob as denúncias de consumidores, o Procon notifica grandes empresas que teriam maquiado os descontos: pouco antes teriam aumentado os preços em dobro para depois cobrar a metade.

Cristo retorna como super-herói gnóstico e trash no filme "Ultrachrist!"

Por trás do “trash” e “non sense” da produção independente atual esconde-se um submundo místico-esotérico-religioso da subliteratura da cultura de massas contemporânea. Uma espécie de “sub-zeitgeist” formado por toda uma literatura de HQs, magazines, filmes B sci fi, horror e fantasia com elementos heréticos e gnósticos. O filme “Ultrachrist!” (2003) é um flagrante exemplo: Cristo como um super-herói que oferece a autodivinização para o homem superar o medo e a sedução.

A professora de crítica literária da University of California at Berkeley Victoria Nelson em seu livro “The Secret Life of Puppets” (Cambridge: Havard UP, 2001) descreve “a estranha história do Fantástico norte-americano”:  de um lado a formação da “religião americana” (a espécie de uma “auto-divinização através de um encontro pessoal com o Sagrado) e, do outro, o desenvolvimento de um “sub-zeitgeist” místico, religioso e sobrenatural formado por toda uma literatura de HQs, magazines, pulp fictions e filmes B sci-fi, horror e fantasia.

Enquanto na Europa o desenvolvimento do fenômeno religioso e do Fantástico sempre esteve associado a filósofos, teólogos e às grandes manifestações artísticas literárias de vanguarda (Romantismo, Gótico, Expressionismo etc.), nos EUA, ao contrário, desde o início se associou a formas culturais populares: das narrativas puritanas do século XVIII, passando pelas notíciais bizarras e sensacionais em magazines e livros de bolso do séc. XIX até a subliteratura de massas da indústria do entretenimento do séc. XX.

quinta-feira, novembro 28, 2013

Portal Inovação aponta editor do blog como referência nacional em Cinema e Gnosticismo

Aos poucos as discussões sobre Gnosticismo e Cinema vão ocupando seu espaço e relevância no campo acadêmico, revistas científicas e de divulgação cultural. Uma evidência disso é a notícia de que esse humilde blogueiro foi apontado como a primeira referência nacional no tema Cinema e Gnosticismo na lista por competências elaborada pelo Portal Inovação do Ministério de Ciência e Tecnologia do Brasil. Está de parabéns o blog e a contribuição dos leitores com sugestões e críticas.

Às vésperas da comemoração do quarto ano de existência do Cinema Secreto: Cinegnose, esse blog acabou de receber uma ótima notícia: o Portal Inovação do Ministério de Ciência e Tecnologia aponta o editor desse blog como a primeira referência nacional na competência Gnosticismo e Cinema. A lista é estabelecida por ordem de relevância por palavras-chave e registros referentes a trabalhos relativos a área de competência.

Somado à publicação no mês passado do artigo intitulado “Dos Simulacros às Simulações: o ceticismo gnóstico no pensamento de Jean Baudrillard” (artigo resultante de postagens desse blog) na revista Dispositiva do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Comunicação e Artes da PUC-MG, percebemos que o tema Gnosticismo e Cinema vai aos poucos ocupando o seu espaço na área acadêmica e nos periódicos de publicações científicas. 

quarta-feira, novembro 27, 2013

Fotos colorizadas digitalmente fazem revisão hiper-real da História


Cresce o número de artistas digitais que tem se dedicado a colorizar através de computação gráfica fotografias de personagens e eventos históricos do século XIX e começo do século XX. É como se quisessem transformar sombras de um passado distante em eventos e pessoas mais próximas e familiares ao nosso presente. Ao mesmo tempo temos o revisionismo do politicamente correto que retira digitalmente cigarros de fotografias de antigos personagens da política e do cinema. Essa obsessão revisionista da História seria o sintoma do fim do chamado “tempo histórico” pela expansão do presente. Uma forma alterada de tempo que substituiu o tempo histórico onde o presente foi tão inflacionado pelas tecnologias virtuais e hiper-reais que começou a absorver todo o passado segundo a sua imagem e semelhança.

No final do filme Obrigado por Fumar (2005), o senador ambientalista líder de uma feroz cruzada antitabagista defende em uma entrevista na TV a utilização de tecnologia digital para “atualizar filmes antigos, tirando de cena os cigarros”, que seriam substituídos, por exemplo, por pirulitos inseridos digitalmente. “Mas isso não é mudar a História?”, pergunta uma assombrada repórter. “Não, eu acho que estamos melhorando a História”, responde convicto o senador.

Pois essa tendência revisionista em relação ao passado parece ser uma obsessão na atualidade. Artistas como Jordan Lloyd, Dana Keller e Sanna Dullaway são alguns exemplos dessa tendência de colorizar digitalmente fotografias históricas do final do século XIX e início do século XX. A cuidadosa adição de cor produz o efeito de alterar dramaticamente nossa percepção da História: de uma relíquia do passado, as fotos passam a adquirir um estranho brilho de ser uma extensão do presente.

sábado, novembro 23, 2013

Hollywood brinca de Big Brother no filme "Jogos Vorazes"


Depois de uma safra de filmes de ficção científica que vai de “Cidade das Sombras”, passando por “Matrix” até chegar a “Distrito 9”, assistir ao filme “Jogos Vorazes” (The Hunger Games, 2012) é um retrocesso. Seu mundo distópico inspirado no imaginário orwelliano do Big Brother do livro clássico “1984” daria uma aparência supostamente “contestadora” e "crítica" a um produto que tenta reproduzir o sucesso de franquias como “Crepúsculo” e “Harry Potter” com um produto "diferenciado". Porém, a crítica cinematográfica parece desatualizada: o sistema que banca o discurso “contestador” de filmes como esse há muito superou o Big Brother de Orwell e é capaz de ironicamente brincar com seus mundos distópicos e fazer o reality show rir de si mesmo.

Adaptado do livro voltado ao público juvenil The Hunger Games de Suzanne Collins, o filme Jogos Vorazes foi saudado pela crítica como um produto diferenciado dentro da estratégia hollywoodiana de produção de franquias como Crepúsculo ou Harry Potter. Ao lado dos indefectíveis amores impossíveis e adolescentes incompreendidos e melancólicos com os tradicionais problemas de relacionamentos familiares, Jogos Vorazes teria um conteúdo “mais contestador”, por ser inspirado em obras distópicas como 1984 e Admirável Mundo Novo com discussões sobre o autoritarismo, exploração de classes, culto a celebridades, poder, obediência e controle.

Como explicar que um blockbuster hollywoodiano tenha um “conteúdo contestador”, ainda mais em se tratando de obras para um público juvenil cujos filmes se caracterizam pela aplicação rígida das regras do gênero? Parece que a crítica cinematográfica anda desatualizada em relação à indústria de entretenimento contemporânea: há algum tempo o modelo distópico de Orwell e Huxley se tornou tema dileto de Hollywood, pelo fato de que se tornou um clichê em filmes do gênero ficção-científica pretensamente contestadores. Principalmente, porque com a nova configuração do Estado e do Poder criada pela Globalização, esse modelo orwelliano de controle social e dominação ficou ultrapassado.

quarta-feira, novembro 20, 2013

O espectro da Patafísica no show midiático do mensalão


Para que serviu o show midiático da prisão dos "mensaleiros" cuidadosamente roteirizado pelo STF e a mídia se todos os lados do espectro político interpretam o episódio a seu favor? Talvez a verdadeira função do show tenha sido imaginária, como um verdadeiro “potlatch” político: um espetáculo irônico de destruição e desperdício de recursos públicos, cujo processo de julgamento do mensalão supostamente queria combater através de uma exemplar demonstração moralizante. Tal qual a instituição primitiva do “potlatch”, um show oferecido como dádiva em pleno feriado como demonstração de poder inútil e fetichista. Espetáculo de desperdício de riqueza como forma mítica de sedução e fascínio.  Se isso for verdade, testemunhamos um evento político brasileiro que se inscreve no campo da Patafísica: a ciência das soluções imaginárias, tal como foi proposta pelo dramaturgo Alfred Jarry, o precursor do teatro do absurdo.
“Em um mundo cada vez mais delirante, convém analisá-lo de forma delirante.”
(Jean Baudrillard)
Com pompa e circunstância, as emissoras de TV acompanharam ao vivo os condenados do processo do mensalão se entregarem na Polícia Federal. Avidamente, as teleobjetivas procurando o melhor ângulo na subida da escadaria do avião da Polícia Federal que os levaria a Brasília até serem confinados no presídio da Papuda. Os mais aguardados, José Dirceu e Genoíno, não se fizeram de rogados: cada qual levantou o punho cerrado, em gesto de desafio para caracterizarem diante das câmeras que eram, na verdade, presos políticos.
O impacto simbólico pretendido pelo presidente do STF (ordens de prisão expedidas em pleno feriado da Proclamação da República) atingiu em cheio a opinião pública, tal qual ondas de impacto da explosão de uma bomba: discussões acirradas e polarizadas dominaram todas as redes sociais durante o dia. Toda a ritualística explicada didaticamente pela TV (detalhes das poltronas ocupadas por cada um no avião, as algemas, o trajeto pacientemente traçado com locais e horários de partida e chegada, detalhes da cela da prisão dando destaque à latrina e o banho de água fria etc.) desde a apresentação dos condenados à suas prisões.

sábado, novembro 16, 2013

Revisitando a paranoia gnóstica do filme "O Segundo Rosto"


Terceiro filme da trilogia da paranoia do diretor John Frankenheimer, “O Segundo Rosto” (Seconds, 1966) é uma obra que merece ser revisitada com cuidado, 47 anos depois. Isso porque a sua estranha fotografia granulada em preto e branco com bizarros e claustrofóbicos planos de câmera acabaram criando um verdadeiro clássico da paranoia e da esquizofrenia. Marca de uma década que vivia o auge da Guerra Fria e um filme dotado de uma misteriosa sensibilidade gnóstica que, mais tarde, produções como “Show de Truman”, “Matrix” e “Cidade das Sombras” explorariam: uma sinistra “Companhia” promete fazer pessoas “renascerem” em novas identidades, sob uma suposta promessa de liberdade e autorrealização. Porém, o jogo é desigual e seus “clientes” descobrirão isso de uma terrível maneira.

Um filme para ser revisitado com todo cuidado. “O Segundo Rosto” (Seconds, 1966) de John Frankenheimer é o terceiro filme da sua trilogia da paranoia, depois de “O Candidato da Manchúria”, (The Manchurian Candidate, 1962) e “Sete Dias em Maio” (Seven Days in May, 1964). Sua estranha e fascinante fotografia em preto e branco granulada, os bizarros ângulos de câmera conseguidos através de lentes grande angular (“olho de peixe”) e a utilização de câmera manual dão um aspecto doentio e paranoico que muitos críticos chamaram de estilo sci fi noir. O visual é expressionista: é como se tivessem pego o quadro “O Grito” de Edward Munch e dado vida cinematograficamente.

                O filme deve ser revisitado com cuidado porque, voltando a assisti-lo 47 anos depois, percebemos que sua narrativa possui diversas camadas de interpretação. Se nos filmes anteriores da trilogia a paranoia era imediatamente política, aqui o diretor mergulha no psiquismo de um indivíduo com a suspeita de que o mundo ao redor pode ser falso e conspirador. Essa é a primeira camada narrativa de o “Segundo Rosto”, que faz lembrar a paranoia de personagens como os de Jim Carey em “Show de Truman” ou de Keanu Reeves em “Matrix”.

quinta-feira, novembro 14, 2013

A bomba semiótica da "black bloc good-bad girl"


Dos elogios de Caetano Veloso nas páginas do jornal O Globo aos “lindos olhos amendoados” do anarquismo à capa da revista Época com “Dani Pantera”, temos a evidência de que mais uma bomba semiótica explode na opinião pública nacional: a bomba da “good-bad girl black bloc”. Uma bomba linguística de fragmentação semelhante às cluster bombs reais que explodem em pedaços com a finalidade de aumentar o número de vítimas em um campo de batalhas: no caso da bomba da good-bad girl, explode em fragmentos semióticos da “mitologização” e do “diversionismo”, vitimizando tanto à opinião pública quando os próprios black blocs que se julgam alvos de uma suposta conspiração midiática.

Parece haver um erro metodológico nas críticas sobre a forma como a mídia aborda os chamados black blocs. Segundo as críticas, as grandes emissoras de TV e revistas de circulação impressa como Veja, Época e jornais como O Globo tratariam os integrantes desse movimento como vândalos, baderneiros, criminosos, bandidos etc. O último lance dessa crítica seria a matéria da revista Época dessa semana que teria entrevistado a suposta liderança dos black blocs, Leonardo Morelli, que falou sobre o recebimento de verbas de ONGs nacionais e estrangeiras. A rápida reação dos integrantes do movimento nas redes sociais foi de perplexidade, críticas e opinião unânime: mais uma “globisse” para denegrir os black blocs.

Porém, saindo do campo textual e analisando o conjunto texto/imagem não só dessa matéria, mas de diversos veículos, temos uma mensagem exatamente contrária: glamourização, mitologização e até erotização da ação e dos personagens desse movimento – Caetano Veloso escrevendo loas sobre a foto de uma black bloc com “lindos olhos amendoados” (“o anarquismo é lindo”, concluiu), imagens de ativistas em ação nas ruas em fotos cuidadosamente escolhidas em composições míticas e heroicas etc. As críticas a forma como a grande mídia vê a ação desse movimento fica apenas na análise textual ou manifesta, esquecendo-se de perceber a embalagem dentro da qual essas matérias são vendidas, o aspecto latente ou subliminar.

quarta-feira, novembro 13, 2013

Em Observação: "Viva Enquanto Puder" (Bliss, 1985)


Um publicitário bem sucedido sofre um ataque cardíaco no dia do seu aniversário. É reanimado, mas não sabe se de fato está vivo ou passa por alguma experiência pós-morte. É o início de uma jornada surrealista que irá colocar em xeque os seus valores familiares e da própria sociedade. Essa é a sinopse do filme australiano cult “Viva Enquanto Puder (Bliss, 1985), temática muito comum na década de 1980 que acabou formando um subgênero de filmes que esse blog chama de “desconstruindo o yuppie”: no meio de um período de capitalismo vitorioso com a expansão da publicidade e do mundo das altas finanças, surgem filmes que criam um contraponto crítico ao mostrar protagonistas bem sucedidos que têm a vida virada pelo avesso.

terça-feira, novembro 12, 2013

A semiótica do pensamento neoconservador


O episódio da ironia incompreendida do texto da coluna de Antonio Prata no jornal Folha de São Paulo que arrancou uma entusiasmada solidariedade de neoconservadores, revelou um mecanismo mais profundo no qual se baseia a eficiência da ferramenta da simulação como arma para combater bombas semióticas: tanto a pegadinha do falso estudante atrasado do Enem quanto a de Antonio Prata que simulou ter se convertido ao machismo, racismo e homofobia, têm como elemento comum aquilo que pesquisadores como Frederic Jameson apontam na cultura pós-moderna - a sensibilidade pastiche, paródia lacunar porque perdeu o senso de humor, demonstrado em situações como essas quando leitores e repórteres se reconhecem refletidos na sua própria caricatura.

Está comprovado. A estratégia da simulação é a principal ferramenta para desarmar e neutralizar (desmoralizar) as bombas semióticas que semanalmente estão explodindo no contínuo midiático nacional. Na semana retrasada acompanhamos a simulação do estudante atrasado do Enem que sem querer acabou desarmando e expondo à opinião pública o modus operandi de montagem das bombas semióticas (pautas pré-estabelecidas e “hipóteses” definidas à espera de fragmentos de eventos que se transformem em evidências por si mesmas).

Pois nessa última semana acompanhamos a “pegadinha” do colunista do jornal Folha de São Paulo Antonio Prata: simulando ter se convertido definitivamente aos argumentos neocons (abreviação de “neoconservador”), escreveu uma coluna raivosa intitulada “Guinada à Direita” onde denuncia uma suposta conspiração para “levar o País ao abismo”, perpetrada por “gays, negros, índios, vândalos, maconheiros, comunistas, aborteiros, feministas rançosas e velhos intelectuais da USP”. Prata fez um texto que é praticamente um inventário dos principais clichês direitistas e neocons, com o mesmo estilo grosseiro e raivoso.

domingo, novembro 10, 2013

O lado sombrio do mundo Disney no filme "Escape From Tomorrow"


Sensação no Festival de Sundance desse ano, o filme independente “Escape From Tomorrow” (2013), rodado sem autorização no parque da Disney World e Epcot Center, foi lançado mesmo com a ameaça de possíveis ações judiciais. Em um cruzamento do messianismo do grotesco de David Lynch com o surrealismo de Buñuel e filmado em preto e branco, vemos um protagonista que tenta viver o último dia de férias na Disneylândia como um dia memorável, mesmo depois de saber que perdeu o emprego e esconder a notícia da família. Mesmo estando dentro do mundo de sonhos criado pelo imaginário do parque, aos poucos ele cria um pesadelo paranoico: cabeças decapitadas, princesas da Disney que se transformam em prostitutas para empresários japoneses e uma gigantesca conspiração por trás da marca Disney sob o apoio tecnológico da corporação Siemens.

A estreia de “Escape from Tomorrow” no Festival de Sundance de cinema independente esse ano foi impactante. “É o melhor filme que talvez você jamais tenha a chance de ver”, diziam os críticos no festival. Isso porque o filme foi rodado sem autorização na Disney World e Epcot Center e que, certamente, a pata corporativa de Mickey iria cair pesada com ações judiciais e a produção jamais seria lançada. O filme agora ocupa uma posição análoga no cinema independente ao lançamento do filme “A Bruxa de Blair” realizado há mais de uma década.

Pois o filme foi lançado comercialmente nesse semestre e surpreendentemente verificou-se muito pouca reação da Walt Disney, o que criou uma espécie de decepção nos críticos que esperavam muito sangue e batalhas jurídicas, levando a supor que talvez a crítica do filme em relação ao “maravilhoso mundo de Disney” não tenha sido dura o suficiente. Claro, isso em um país como os EUA onde o termômetro do sucesso corresponde ao sensacionalismo da quantidade de processos contra um produto cultural, o que determinaria o sucesso de bilheteria pelo escândalo.

sexta-feira, novembro 08, 2013

Rei do Camarote e Huck "Gigante": bombas semióticas no front da guerrilha dos memes


Uma semana depois do contra-ataque involuntário às bombas semióticas do Enem feito por um estudante que simulou ser um candidato atrasado, veio a reação: uma nova bomba semiótica, dessa vez em um novo front, ainda mais letal por atingir dessa vez a percepção e a memória, instâncias pré-linguísticas. O vídeo do “Rei do Camarote” transformou-se em novo meme que explode em uma guerrilha memética cujo ponto de partida foi o filme publicitário “Gigante” protagonizado pelo apresentador Luciano Huck: memes intencionalmente elaborados para tornar o contínuo midiático ainda mais tenso e pesado.

A proximidade do final do ano e a lembrança que também nos aproximamos da Copa do Mundo e eleições presidenciais, está tornando cada vez mais pesada a atmosfera midiática nacional. Toda semana novos petardos de bombas semióticas cada vez mais sofisticadas são disparados no imaginário social, politicamente cada vez mais turvo e tenso. Se na semana anterior acompanhamos um contra-ataque do que chamamos de “bomba pós-moderna” (a simulação de um estudante que se passou por candidato atrasado na prova do Enem e que colocou a nu o mecanismo de montagem das bombas semióticas – clique aqui para ler), nessa semana tivemos a resposta imediata que abre um novo front de batalha ao lado das guerrilhas semiológicas: as guerrilhas meméticas.

Muito se fala de uma guerra memética desde o cenário aberto nas manifestações de junho. Mas, assim como no Marketing, nesse novo campo de guerrilha procuram-se agora criar memes artificiais. É o caso da matéria apoiada por um vídeo sobre o chamado “Rei do Camarote” publicado pela “Vejinha” ou Veja São Paulo.

quinta-feira, novembro 07, 2013

Um guia prático de engenharia de opinião pública em "Obrigado Por Fumar"


De maneira cínica e irônica, o filme “Obrigado Por Fumar” (Thank You For Smoking”, 2005) nos apresenta como se faz uma engenharia de opinião pública: a forma mais insidiosa e profunda de manipulação baseada numa suposta liberdade de opinião e escolhas na qual se funda a democracia ocidental baseada na mediação da opinião pública através dos meios de comunicação. Tal engenharia chamada de “agenda setting”, e didaticamente mostrada pelo filme, se basearia no seguinte princípio: se todos os argumentos são válidos e se anulam (“a beleza da argumentação é que você nunca está errado”), segue-se que o mais importante é dar às pessoas a impressão de liberdade de opinião quando, na verdade, uma pauta ou agenda já foi secretamente imposta para a sociedade.

“Com bons argumentos você nunca está errado”. Essa afirmação que o protagonista Nick Naylor dá ao seu filho Joey é o mote de todo o filme “Obrigado por Fumar”. Essa afirmação ao mesmo tempo cínica e irônica esconde uma longa tradição filosófica do ceticismo que se iniciou com Pirro na antiguidade grega: se toda afirmação pode ser contraditada por argumentos igualmente válidos, a verdade não existe. Todas as versões e interpretações sobre qualquer coisa se equivalem, dependendo então os argumentos tão somente da credibilidade, acumulação, consonância e onipresença em um ambiente público de debates.

                Essa é a base da moderna engenharia de opinião pública e do filme “Obrigado por Fumar”, uma verdadeira exposição didática daquilo que os teóricos da comunicação chamam de “Agenda Setting” ou “Teoria do Agendamento”. A começar pelo cinismo do título: uma aparência liberal do agradecimento do prestador de serviços, mas que esconde as táticas de manipulação de opinião.

segunda-feira, novembro 04, 2013

O espectro do gnosticismo ronda a cultura na animação "The Painting"


Um espectro ronda a produção cultural contemporânea: o Gnosticismo. Não, não se trata de uma conspiração ou de alguma seita secreta que silenciosamente se espreitaria subliminarmente em filmes e animações. Trata-se de uma mudança de sensibilidade em relação à realidade e aos próprios produtos culturais que procuram representá-la, um senso mais metalinguístico e auto-referencial que questiona a representação e a própria natureza da realidade. A animação francesa “The Painting” (Le Tableau, 2011), dirigida por Jean- François Laguionie é um flagrante exemplo onde personagens fauvistas no interior de quadros em um empoeirado estúdio estão em busca do Pintor, numa evidente analogia com questões teológicas e filosóficas: ele existe? Retornará um dia para completar suas obras? Quem desenhou o Pintor?

De programas infantis como “Mister Maker”, passando por animações como “Hora de Aventura” e “Apenas um Show” ou quadrinhos como “Capitão Cueca”, até os filmes mais elaborados para adultos como “Matrix”, “Show de Truman” e “A Origem”, a sensibilidade é a mesma: ironia, auto-referência, discurso indireto, metalinguagem, uma espécie de autoconsciência dos personagens de que a narrativa em que estão imersos é ficcional, um constructo de algum autor, demiurgo ou entidade arbitrária, que algumas vezes quer lhes controlar e confinar.

A animação francesa de Jean-François Laguionie, “The Paiting” (Le Tableau, 2011) é um bom exemplo dessa sensibilidade contemporânea, além de ser uma ótima alternativa às animações computadorizadas das produções norte-americanas. A narrativa é centrada em um mundo no interior de um quadro em ambientes fauvistas ao estilo de Matisse e cacos de Chagall. É apenas mais um quadro entre vários que estão no atelier de um pintor, mas para os habitantes daquela tela é um cosmos fechado em si mesmo.

Apesar da beleza das cores, texturas e traços, percebemos que aquele mundo não é tão poético: possui uma rígida ordem social dividida em três castas: a elite formada pelos Toupins que habitam um castelo. São pinturas finalizadas e de estilo definido. Em seguida vêm os Pafinis, os “não terminados”: figuras não acabadas nas quais o pintor da obra não deu um acabamento final ou deixou de pintar um detalhe qualquer. E abaixo de todos, os Reufs, verdadeiros esboços vivos, personagens cujo pintor nem iniciou e dotados apenas de linhas e contornos de lápis.

sábado, novembro 02, 2013

Estudante implode bomba semiótica do Enem


Sem querer o estudante da USP que simulou ser um candidato atrasado do Enem, cujas fotos ocuparam primeiras páginas de jornais e portais de Internet, acabou abrindo uma perspectiva de contra-ataque na verdadeira guerrilha semiológica que toma conta da opinião pública brasileira: contra a manipulação midiática, a simulação; contra a mentira, o seu paroxismo: o simulacro! É a “bomba pós-moderna”, que ajudou não só a implodir como colocou a nu o processo de construção de bombas semióticas, como as que a mídia detona contra o Enem. A estratégia irônica do contra-ataque através da simulação como forma de desmoralizar a mídia segue a tática como a do agitador cultural Joey Skaggs (famoso nos EUA por "pegadinhas" contra a TV e jornais) e de manifestantes em Portugal contra as políticas de austeridade.

Nessa semana, uma pessoa fez mais estragos que dezenas de black blocks depredando fachadas de bancos e de lanchonetes multinacionais. Trata-se de um aluno do curso de Ciências Contábeis da USP, Flávio de Queiroz, que simulou diante de fotógrafos e jornalistas ser um candidato atrasado na prova do Enem realizado no último domingo. A foto dele dramaticamente tentando escalar as grades da Uninove, na Barra Funda, São Paulo, saiu em portais da Internet e primeira página do jornal Folha de São Paulo ao lado de uma sombria manchete: “Quase um terço dos candidatos não faz Enem”.

                Ao lado da barrigada da rádio CBN em que uma ansiosa repórter confundiu um aviso de um curso de alemão na USP como um aviso cifrado da bandidagem sobre a chegada da polícia para apressadamente confirmar uma pauta estipulada pela reportagem (veja links abaixo), o episódio da simulação do aluno atrasado do Enem pôs a nu o processo de montagem da notícia com a finalidade de torná-la uma bomba semiótica.

Tecnologia do Blogger.

 
Design by Free WordPress Themes | Bloggerized by Lasantha - Premium Blogger Themes | Bluehost Review